Resultados 1ª Etapa da Speedo Run Series:

03
jun 2015

Speedo_ArnoldPessoal, saíram os resultados da 1ª etapa da Speedo Run Series realizada no Rio de Janeiro, no último domingo (30/05).

Confiram o Top Five de cada categoria:

Resultado 5km Masculino (Top Five)

CLASS NUM NOME BRUTO RITMO LÍQUIDO
1 1445 Ronald Jefferson 00:16:45,915 00:03:21,183 00:16:45.915
2 1235 Jose Adriano de Oliveira 00:16:57,498 00:03:23,500 00:16:55.545
3 1500 Zenivaldo Ancelmo de Souza 00:17:35,544 00:03:31,109 00:17:33.169
4 1276 Lucas Pinto 00:17:43,124 00:03:32,625 00:17:41.947
5 1182 Fernando Giolo 00:18:07,787 00:03:37,557 00:18:05.508

Resultado 5km Feminino (Top Five)

CLASS NUM NOME BRUTO RITMO LÍQUIDO
1 1045 Ana Paula De Souza 00:21:03,441 00:04:12,688 00:21:02.367
2 1256 Ladijane da Silva Gonçalves 00:22:34,723 00:04:30,945 00:22:32.898
3 1118 Cyntia Barbara Tarrafo Andrade Correa 00:22:39,746 00:04:31,949 00:22:39.746
4 498 Raquel Borges 00:23:16,431 00:04:39,286 00:23:15.529
5 1519 Marcella Assimos das Neves Silva 00:23:34,522 00:04:42,904 00:22:47.971

Resultado 10km Masculino (Top Five)

CLASS NUM NOME BRUTO RITMO LÍQUIDO
1 509 Carlos Mattos Lopes 00:34:37,994 00:03:27,799 00:34:34.817
2 18 Alessandro Guzman 00:35:21,154 00:03:32,115 00:35:20.950
3 408 Alexandre Moura 00:36:02,010 00:03:36,201 00:36:00.014
4 307 Ronan de Souza Bernini 00:36:22,020 00:03:38,202 00:36:18.927
5 21 Alexandre Anesi Maximiliano 00:36:26,358 00:03:38,636 00:36:23.770

Resultado 10km Feminino (Top Five)

CLASS NUM NOME BRUTO RITMO LÍQUIDO
1 183 Katia Lourenco Pinto de Almeida 00:42:28,838 00:04:14,884 00:42:26.486
2 281 Priscila Lourenco Pinto de Almeida 00:42:29,039 00:04:14,904 00:42:27.218
3 230 Marcia Moreira Ferreira 00:45:19,968 00:04:31,997 00:45:14.646
4 122 Erica Santana de Oliveira 00:48:45,034 00:04:52,503 00:48:41.894
5 43 Andrea Pereira da Costa de Melo 00:51:50,195 00:05:11,019 00:51:40.941

Não encontrou o seu nome aí? Sem problemas: Disponibilizamos o arquivo na integra, com todas as colocações, aqui:

Entrando no ritmo da Speedo Run Series 2015

21
mai 2015

28_05_15_Corrida-Treino

A aproximação da Speedo Run Series 2015 sinaliza o início da intensificação dos treinos de muitos corredores Brasil afora. Quer aumentar as suas chances de ficar bem na foto? Dê chegar dentre os primeiros? Ou, simplesmente, se sentir bem consigo mesmo completando a prova? Pois bem, você veio ao blog certo! Temos aqui, algumas dicas que vão melhorar a sua corrida.

Só a esteira não adianta

Se o seu treinamento fica só na esteira, é bom pensar duas vezes antes de correr numa maratona. Acontece o seguinte: as suas passadas são suavizadas pela máquina, sem falar que o corpo permanece na vertical para manter o equilíbrio.

No asfalto, você não terá essa moleza. O chão é irregular, o que pode desestabilizar a sua corrida e o corpo tende a ir para a frente, numa tentativa quase inconsciente de conseguir mais velocidade, ambos fatores que resultam em tropeços e pés virados. Portanto, é bom se acostumar a esses desafios dando voltas pelo quarteirão ou pelo parque.

Vá conhecer o trajeto

Essa dica é importante. Já imaginou ser pego de surpresa por uma subida? Corredores despreparados tendem a se desmotivar ao se depararem com alguma mudança brusca do trajeto.

Corra algumas vezes o percurso por conta própria. Você não precisa fazê-lo de uma vez só. Pode dividir as voltas em pedaços menores e em dias diferentes, para ir se acostumando. Depois, foque nas etapas onde acha que o seu rendimento é menor.

Muito, mas muito mesmo, cuidado na escolha do tênis

O ponto principal aqui é escolher um ideal para maratonas e o seu tipo de pisada. Existem três tipos de pisada. A neutra, considerada a ideal por usar toda a área frontal do pé, absorvendo de forma eficiente o choque contra o chão, reduzindo assim o risco de lesões e permitindo ao corredor imprimir mais velocidade nas passadas.

Tem também a pronada, onde o corredor usa a ponta dos dedos do pé para pegar impulso. Esse hábito pode desalinhar joelhos, tornozelos e quadris, aumentando as chances de lesões caso o tênis não seja o mais indicado para esse tipo de pisada.

Por fim, tem a supinada, que é o oposto da pronada. Nela, o corredor usa a parte externa do pé para suportar o corpo e se impulsionar, distribuindo desigualmente o seu peso, sendo ainda mais propensa a acabar por lesionar o atleta.

Procure se informar com o seu professor sobre a forma como você pisa e procure por um tênis que atenda as suas necessidades.

E é isso galera. Dia 31 de maio nos vemos na Speedo Run Series 2015! Boa sorte para todo mundo e procurem se divertir bastante!

Tudo o que você precisa saber sobre a 1ª Etapa do Speedo Run Series 2015

23
abr 2015

Post_Divulgacao_SpeedoRun_01_v2_800x800

A Speedo Run Series 2015 vai ser sensacional, prometemos! Este ano ela irá acontecer em dois lugares: Rio de Janeiro e São Paulo. A cidade maravilhosa servirá de ponto de partida para os corredores do evento, no dia 31/05, com saída no Recreio dos Bandeirantes.

O evento compreenderá corridas tanto de 5k quanto 10k. Portanto, é melhor ir preparado e pra isso, além do condicionamento físico, é sempre bom contar com as opiniões dos seus treinadores e médicos. Peça para eles avaliarem o seu desempenho e condição física, pergunte se a Speedo Run Series é a melhor prova para o seu preparo atual.

Falando em preparo, os inscritos na prova têm direito a 50% de desconto na entrada da feira Arnold Classic Brasil, um dos maiores eventos multiesportivos do país, que abrange nutrição esportiva, fitness e performance, como não podia deixar de ser, se considerarmos que a feira leva o nome de um dos maiores símbolos do meio, o ator e halterofilista, Arnold Schwarzenegger.

E sabe o que é mais legal? A feira atrai um monte de gente interessante, que vai aproveitar para dar uma espiadinha na Speedo Run Series desse ano. Nunca se sabe quem pode estar torcendo por você durante a corrida. ;D

Além disso, quem se inscrever na prova ainda vai ganhar um Super Kit Atleta com uma camisa e uma sacola da Speedo e também poderá usufruir de 10% de desconto na loja Centauro (válido apenas na unidade Conviva Américas, Av. das Américas, 900 – RJ)

Pronto pra correr? Faça agora a sua inscrição na Speedo Run Series 2015 e prepare-se para o desafio! http://bit.ly/1xhbvXz

Saber correr atrás do prejuízo

09
nov 2014

correr1Conhecida como um dos esportes mais democráticos, a corrida tem atraído muitos praticantes mundo afora, incluindo o Brasil. As razões para largar o sedentarismo são diversas, mas as mais comuns são referentes à saúde, uma busca por melhorias para o próprio corpo, e à acessibilidade, uma vez que qualquer pessoa com um tênis e gás começa a correr.

Apesar de toda facilidade é necessário seguir algumas dicas antes de abrir a porta e sair dando passos mais longos pela rua. O acompanhamento profissional, não só apenas na corrida mas em todos os esportes, é fundamental. Profissionais da saúde saberão exatamente como orientar você, independentemente do seu nível a, por exemplo, alimentar-se adequadamente, a administrar a temperatura do ambiente e do seu corpo e, por mais que você já faça isso desde que nasceu, até a respirar corretamente durante o exercício.

Outro ponto importante é a escolha do equipamento certo. A curto prazo isso não vai prejudicar você, porém, depois de correr 10km por dia, durante dois meses, usando um tênis sem amortecimento adequado, seus joelhos e as costas pedirão para você passar mais um ano no sedentarismo. Além do tênis, a roupa usada vai ajudar na sua performance, dependendo da temperatura do ambiente e da sua movimentação.

Para iniciantes, pode ser que a nova rotina seja desgastante e, por mais que a sua animação fale “corra”, suas pernas dirão “amanhã, por favor”. Isso porque a musculatura se desenvolve em um ritmo mais lento que a capacidade respiratória. Nessas situações é recomendável alternar as corridas com academia e bicicleta, que não forçam tanto e não deixarão você perder o ritmo.

Outra dica, que de tão importante deveria ser chamada de lei, é cuidar da hidratação. O seu corpo sempre vai pedir mais água após os treinos para ter de volta a água gasta e, durante o dia, para ajudar na recuperação muscular.

E um último toque é manter-se motivado! Duas alternativas para isso é procurar alguém para se aventurar com você nessa nova vida ou escutar música enquanto corre mesmo. O importante é sempre querer correr mais uma vez.

10 mitos do Triathlon

29
set 2014

1 – “O ciclismo é o segmento menos importante em provas com drafting.” Por um lado, o ciclismo é o esporte ideal para desenvolver a resistência de base, com treinos de longa duração e baixa intensidade, com um gesto cíclico, mas sem impactos contra o solo, sendo por isso pouco lesivo. Por outro lado, não devemos esquecer que o setor em que se decide o resultado final do triathlon é a corrida, mas uma corrida atípica, uma vez que se inicia com uma fadiga prévia significativa.

2 – “O traje de neoprene só serve para evitar o frio.” A origem do traje de neoprene no segmento de natação do triathlon foi a proteção dos desportistas contra o frio. A sua utilização está delimitada pelo regulamento de forma que em função da temperatura da água e do ambiente os oficiais da prova designarão a sua utilização como proibida, obrigatória ou opcional. Quando é opcional, a maioria dos triatletas o utiliza, e não apenas pela comodidade de nadar sem frio.

3 – “O trabalho de força é incompatível com o de resistência.” O triathlon é um esporte de resistência, em que o trabalho de força-resistência tem uma importância vital. Cada vez se torna mais evidente a necessidade de complementar o treino específico na piscina, na bicicleta ou na corrida, com um trabalho adicional e específico de força, não só para melhorar o rendimento como também para evitar lesões.

4 – “Como sou iniciante preciso do melhor material para começar com garantias.” Na natação são necessários os óculos para você se orientar melhor e evitar irritações nos olhos. O traje de neoprene é um investimento considerável, portanto o ideal é que você consiga um emprestando ou alugado, caso não possa comprá-lo. Para o segmento de ciclismo, basta uma bicicleta bem ajustada às suas medidas. Dessa forma você evitará lesões e terá um bom rendimento. Isso sem esquecer o capacete, que é sempre obrigatório. E para correr, use sapatilhas de corrida normais (você pode substituir os cordões por um elástico e assim simplificar o processo de calçá-los). A prática de esportes aquáticos ajuda a amenizar os sintomas da rinite, porém, muitas vezes, o que deveria ser uma forma de alívio pode se tornar um desconforto. Isso porque os subprodutos do cloro nas piscinas podem potencializar os sintomas da rinite. A solução? Opte por piscinas de água tratada com ozônio. ;)

5 – “É preciso treinar todos os dias as três modalidades.” Existe a crença falsa de que o triatleta deve treinar os três segmentos todos os dias.

6 – “Bom nadador em piscina não é sinônimo de bom nadador em provas de triathlon.” Os bons desempenhos que um triatleta pode ter na piscina não correspondem à realidade de uma prova de triathlon, na qual a natação se realiza em águas abertas. Por isso que é necessário realizar treinos específicos.

7 – “Só os hidratos de carbono é que dão energia.” Com a realização de um exercício de caráter aeróbico, o organismo obtém a energia através da oxidação da glicose (glicólise) para posteriormente continuar com a obtenção de energia através da oxidação dos ácidos gordos livres provenientes da degradação das reservas de triglicerídios (lipólise). Ao longo de um exercício a utilização de um substrato vai ganhando mais protagonismo, até que o outro se sobrepõe.

8 – “Se não é finisher na distância ironman, você não é um verdadeiro triatleta.” É importante ir passo a passo e dar o melhor em distâncias mais curtas, começar pelos triathlon de distância sprint, depois passar para a distância olímpica e fazer uma progressão lógica antes de dar o salto para o ironman.

9 – “Quanto mais volume de treino, melhor.” Essa é uma falsa crença que esteve muito na moda ns competições iniciais de triathlon. Acreditava-se que era necessário realizar grandes quilometradas semanais para conseguir o melhor resultado possível. Longe dessa crença, no esporte de resistência o que nos faz melhorar é a assimilação das cargas duras.

10 – “Você precisa de uma bicicleta de contrarrelógio para competir em triathlons de longa distância.” A opção mais barata é mais engenhosa é “reconverter” a bicicleta convencional de estrada numa bicicleta de longa distância com duas pequenas alterações:

- Avançar o selim ou substituir o espigão de selim com recuo por um neutro ou com avanço;
- Colocar uns extensores no guidão.
É uma boa forma de poder continuar a praticar triathlon em todas as suas distâncias e que não pesará tanto no
bolso!

Fonte: Sport Life