Setembro Amarelo: prática esportiva diminui o índice de suicídio entre jovens

20
set 2018

Os índices de suicídios estão, a cada ano, chegando a números alarmantes. E o que é mais desesperador nesta estatística é a presença significativa de adolescentes. Ansiedade, depressão e diversas outras questões que fazem com que pessoas de 10 a 19 anos se sintam deslocados em seu meio são os principais motivos que levam a essa triste interrupção da vida. E neste cenário desolador, cientistas trazem um alerta: a prática esportiva diminui o índice de suicídio entre jovens.

A importância do Setembro Amarelo
Setembro é marcado pela cor amarela, que ativa o sinal de alerta e é a marca da campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. Desde 2015, monumentos e o noticiário levam este delicado assunto para discussão, além de, durante todo o mês, serem promovidas palestras, divulgação de informações e orientação para toda a sociedade.

Segundo dados, de 2000 a 2015, os suicídios entre adolescentes de 10 a 15 anos aumentaram 65%; e na faixa dos 15 a 19 anos, 45%. Estes números representam cerca de 40% da média da população e significa que nossos jovens precisam, urgentemente, de ajuda.

Bullying, automutilação e transtornos alimentares são os assuntos mais recorrentes entre jovens. Estes podem ser os primeiros sintomas de algo que, se não acompanhado por um profissional da saúde, pode ter uma consequência muito grave. Perceber hábitos e sinais diferentes em adolescente, além de sempre ter boas conversas, ajuda a salvar vidas.

A prática esportiva diminui o índice de suicídio entre jovens
Apoio da equipe e o sucesso em uma área competitiva estão entre os fatores levantados no estudo do Centro para o Controle e Prevenção de Doença (CDC), dos EUA, como possíveis responsáveis pelo menor risco de suicídio entre jovens.

Liderada pelo cientista comportamental David R. Brown, a pesquisa aponta que a prática de uma atividade física diminui 2,5 vezes a probabilidade de homens terem um comportamento suicida, e em mulheres, o número é 1,67 menor. Não foi encontrado nenhuma justificativa conclusiva no estudo, mas entre as principais hipóteses estão:

  • diminuição do estresse e aumento do bem-estar por meio da liberação de endorfina;
  • apoio da equipe nos treinos;
  • enfrentamento de questões competitivas com menos severidade;
  • socialização;
  • comunhão entre lazer e cuidado com a saúde.

Os pesquisadores alertam que é preciso uma relação saudável com o esporte. Pessoas que transformam esta prática em mera disputa ou apenas um culto ao corpo perfeito, fazendo atividades intensa por seis ou sete dias semanais, revertem a estatística e têm o dobro do risco de um comportamento suicida.

Busque o CVV
O Centro de Valorização da Vida existe desde 1962 e durante este período auxiliou pessoas que buscaram ajuda pelo telefone ou em atendimentos nas sedes espelhadas em todo o Brasil. Em 1973, a instituição foi reconhecida como Utilidade Pública Federal e hoje, junto ao Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde, organiza ações abertas à comunidade para promoção da vida.

Desabafar e procurar ajuda colabora para um melhor entendimento de situações que parecem não ter solução. Em 2017, o CVV recebeu cerca de 2 milhões de ligações e, atendendo gratuitamente nos 23 estados brasileiros, colaborou para que histórias não acabassem tragicamente.

Em qualquer lugar do país, ligue 188 para atendimento anônimo e, caso prefiro, no site da CVV também é possível conversar pelo chat. Este contato é muito importante, pois segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 90% dos casos poderiam ser prevenidos.

Você nunca está sozinho. Se conhece alguém que precisa de um auxílio ou acredita que implementar atividades físicas fará bem à sua saúde, comece aos poucos e/ou converse com alguém sobre esta possibilidade. O primeiro passo é difícil, mas você encontrará suporte sempre.

Fontes:
Ligação para prevenção ao suicídio
Jovens praticantes de esporte: menor propensão ao suicídio
Exercícios podem inibir ideias suicidas
Os enigmas do suicídio
Centro de Valorização da Vida

PAIS, FILHOS E ESPORTES: O TRIO PERFEITO

13
ago 2017

As memórias com nossos pais preenchem a maior parte das gostosas lembranças que temos da nossa infância. Os homens sisudos, avessos a emoções, de repente, tornam-se pais emotivos, que torcem por você e estão ali, vibrando. Seja naquele campinho onde você jogava futebol quando era criança, na quadra do colégio, na piscina do clube, o “velho” sempre esteve ali, te incentivando a ser um campeão.

Todos sabem da importância que a prática dos esportes tem pra vida. Além de melhorar o condicionamento físico, os atletas encontram no ambiente esportivo condições favoráveis para um convívio saudável. Muitas vezes, para as crianças, os colegas de esportes são uma segunda família. Os primeiros amigos, as primeiras competições, as primeiras decepções. O esporte é capaz de ensinar aos pequenos os valores que deverão continuar sendo cultivados durante toda a vida. Por isso, a importância de ter um pai presente, que incentive a prática de esportes. E, por que não, ter um pai atleta?

Pais que praticam atividade física tornam-se um modelo para os filhos. Crescer com esse hábito exige um envolvimento paterno para mostrar às crianças que esportes são também diversão! Para a geração atual, completamente imersa no mundo virtual, acaba sendo mais difícil adentrar no mundo dos esportes. Com um pai sendo referência, é mais fácil para os pequenos perceberem os benefícios. Outro fator importante é mostrar que existem outras opções de esportes, se você não se deu bem em um.

Judô, vôlei, basquete, natação infantil. Incentive seus filhos a encontrarem o esporte ideal para eles. Nem todo mundo é apto ao futebol, por exemplo. Mas, do que seriam os “Gustavos Borges” se todos fossem “Neymars”, não é mesmo? A busca pelo esporte perfeito para a criança depende muito de como ela vai encarar aquela competição.

Sendo também um atleta, você pode aproximar o seu filho desse mundo mágico. E fazer o trio perfeito: pais, filhos e esportes.

Esportes para praticar no verão

04
jan 2017

cover-blog

O verão chegou! Muito sol, férias e, é claro, esporte. A estação do ano mais esperada por muitos traz muito mais do que o calor e as férias. O verão reaviva e estimula nas pessoas a vontade de praticar algum esporte ou atividade física. Pensando nisso, listamos alguns esportes para você começar a praticar neste verão.

Caminhada

Caminhar é sempre saudável, faz bem para o corpo, ajuda a espairecer e ainda queima calorias. Por que não aproveitar o fim de tarde, já que a sensação de calor diminui, para dar uma volta em algum parque? O hábito de caminhar, pelo menos 2h30 por semana, combinado a uma alimentação saudável pode trazer incontáveis benefícios para você e sua saúde.

Vôlei de praia

O destino de muitas pessoas, nas férias de verão, é a praia. Essa época do ano combina muito com esse esporte. O vôlei de praia é muito comum no Brasil e pode ser praticado em duplas ou times, estimulando o espírito de equipe. Especialistas afirmam que, quando praticado frequentemente, o vôlei de praia ajuda a tonificar os músculos e o contato com a praia potencializa a sensação de bem-estar.

Frescobol

Tipicamente praiano, o frescobol é jogado por duas pessoas ou mais. O esporte tem como principal objetivo potencializar e cultivar a amizade. Seu estilo cooperativo o diferencia de muitos esportes e é ideal para você que pensa em desenvolver o seu companheirismo e quer deixar de lado a competitividade.

Nado em mar aberto

Recentemente demos dicas para treinos nessa modalidade, e não poderíamos deixá-la de lado quando o assunto é verão. Indicado para atletas com mais preparo e experiência, esse esporte ajuda você que não quer deixar a sua rotina de treino de lado, mesmo estando de férias. Se estiver pelo litoral, que tal umas braçadas?

Corrida

A corrida, muito similar a caminhada, traz diversos benefícios para a sua saúde e seu corpo. Considerada um dos melhores exercícios para o coração, esse esporte fortalece seus ossos e articulações por meio do impacto decorrente da prática do exercício. Quando realizada na areia, ameniza o impacto e intensifica o preparo, pois exige mais esforço físico do atleta no momento da propulsão.

Seja caminhando, correndo, seja nadando, chegou a melhor hora para praticar. Aproveite o verão! Comece agora a desenvolver aspectos físicos e comportamentais por meio da prática de esportes.

Como os atletas se preparam para os Jogos Olímpicos?

09
ago 2016

Imagine a pressão de competir no maior evento esportivo do mundo, que, na Era Moderna, é realizado desde 1896. Agora, coloque um pouquinho mais de pressão por esse evento estar acontecendo aqui no Brasil. Desafiador e eletrizante.

Os atletas precisam se preparar desde muito antes dos Jogos (alguns traçam seus objetivos 8 anos antes), mas o esforço na reta final é ainda maior. Técnicos e preparadores dizem que os três meses anteriores ao evento são importantes para perceber se há algo a resolver nas partes física, tática, técnica e também emocional da equipe ou do indivíduo.

Já os atletas dizem que é preciso afinar prioridades e treinar o máximo possível, mas com equilíbrio e cautela para não perder o foco ou exagerar. Nesse momento, o acompanhamento de fisioterapia é essencial, além do cuidado psicológico para lidar com questões como a ansiedade.

A carga pesada dos treinos também deve ser usada para reforçar o que o atleta realmente quer para os Jogos. O objetivo nunca deve sair da pauta da equipe. Embora, nesse caso, o plano seja ganhar, o caminho para a vitória precisa ser extremamente bem planejado para que nada aconteça de forma inesperada.

Vale lembrar que as nossas atletas Poliana Okimoto, Gabi Roncatto, Etiene Medeiros e Ana Marcela estão representando lá no Rio em natação e em maratonas aquáticas! Vão com tudo, meninas!

#VaiFundoSpeedo

A arte de evoluir

05
mar 2015

05_03_15_BlogTriathlon2

O sucesso só vem para quem se dispõe a correr atrás. E para quem quer ser um  atleta melhor temos dicas para isso, mas não se engane: por mais simples que o método seja na teoria, na prática são outros 500. E aí, pronto pra começar?

1. Planeje seus treinos, sem sacrificar sua vida pessoal.

Um bom treino não leva só em conta seus objetivos esportivos. Se você é um atleta amador, o seu planejamento deve incluir também as prioridades e demandas da sua vida pessoal.

Muita gente acha que treinar significa abrir mão de tudo para se dedicar única e exclusivamente ao esporte, no entanto, se você não vive de competições, isso não poderia estar mais longe da verdade. Se não incluir nos cronogramas as suas obrigações pessoais e negligenciar esse lado da sua vida, chegará a um ponto onde você não conseguirá mais se distanciar dela e a mesma irá colidir com tudo nos seus planos. Daí, você será obrigado a voltar à estaca zero.

2. Volume de treinos

Nunca maior e nem menor do que você consegue. O seu esforço deve ser compatível com a sua habilidade atual. Lógico, o crescimento gradual e o aumento da intensidade tanto física, quanto técnica dos exercícios deve acontecer, mas controladamente.

Nada de dar saltos absurdos: se o seu limite tem sido correr 1km, não force a barra para chegar nos 3km. Aumente a dificuldade progressivamente, sem excessos, permitindo que o seu corpo se adapte aos próximos desafios.

3. Faça treinos cruzados

É raro encontrar atividades físicas que não se beneficiem dos ganhos de outras modalidades. O condicionamento físico que você desenvolve na academia é usado para melhorar os seus tempos na piscina. O cárdio mais forte que você adquire na piscina volta pra academia e lá te ajuda a progredir nas cargas e vice e versa.

Converse com os seus professores, veja com eles se é o caso de você completar o seu treino praticando outros esportes e quais devem serem seus objetivos para cada um.

4. Descanse

Sim, você leu certo: o descanso é extremamente importante para a sua evolução. É nos seus momentos de relaxamento que o seu corpo tem tempo para realizar os processos de adaptação.

Um bom exemplo da importância do descanso você já deve ter escutado na academia: é a velha história das dores musculares. Enquanto você treina, seus músculos sofrem pequenas fissuras e estas são reparadas durante a folga. Fibras musculares mais fortes se formam, você desempenha mais e melhor e o ciclo volta a se repetir.

Se possível, alinhe os seus períodos de repouso com as obrigações pessoais que citamos no item 1, assim, você consegue matar dois coelhos com uma cajadada só.

5. Mantenha hábitos saudáveis

O desenvolvimento atlético é um processo contínuo. Pode ter certeza de que ele acontece mesmo quando você está longe da academia. Portanto, procure manter bons hábitos em várias áreas, como alimentação, bem-estar, cuidados pessoais, etc.

Um bom alongamento de manhã serve para aquecer o corpo e já significa um pouco de trabalho feito mesmo nos dias onde você dificilmente terá tempo para se distanciar do trabalho. Comer coisas leves te enche de energia e você não vai passar o dia lutando contra o sono e não vai sentir pesado na hora do treino.

De novo, uma boa conversa com os seus professores pode te mostrar o que você deve fazer para se manter produtivo mesmo longe dos exercícios.

Gostou das dicas? Tem alguma que queira compartilhar conosco? É fácil: basta deixar elas nos nossos comentários!