Etiene Medeiros volta das férias com 2 vitórias no Regional em SP

23
out 2014

Foto: Satiro Sodré

Competição de um dia só, o Centro Olímpico em São Paulo recebeu 241 nadadores de 18 clubes para o Regional da 1ª Região da Federação Aquática Paulista. Destaque maior para a volta as competições de Etiene Medeiros do SESI-SP, maior destaque do Troféu José Finkel em setembro, e que venceu duas provas.

Etiene levou os 100 costas com 1:02.83 e os 50 borboleta com 28.04. A nadadora retornou de um período de férias iniciando sua preparação voltada para o Campeonato Mundial de Piscina Curta que acontecerá em dezembro no Catar. Etiene faz parte do grupo do SESI que viaja a Copa do Mundo de Tóquio na próxima semana.

Além de Etiene, ainda tivemos bons resultados com Gabrielle Roncatto do Pinheiros vitoriosa nos 50 livre (26.88).

Fonte: Best Swimming

A história da natação

21
out 2014

A natação está presente na vida do homem desde os tempos mais remotos. Pode-se dizer que ela se tornou uma qualidade física imprescindível para a sobrevivência do ser humano, seja na busca por alimentos, seja na fuga de um perigo em terra, e em sua evolução. Sabe-se que os povos da Antiguidade eram grandes nadadores. Registros mostram que no Antigo Egito, em 3000 a.C., os filhos dos nobres aprendiam a nadar desde cedo.

Na Grécia, a prática da natação ganhou grande importância, uma vez que ela proporcionava o desenvolvimento harmonioso do corpo, algo bastante valorizado pela sociedade grega. O filósofo Platão, por exemplo, afirmava que os indivíduos que não haviam aprendido a nadar não poderiam ser considerados educados. Foi na civilização grega, inclusive, que surgiram as primeiras disputas de natação: os Jogos Ístmicos, disputados em homenagem ao deus Poseidon. Já na civilização romana, a modalidade foi base da preparação militar dos soldados do império.

Após um período de decadência durante a Idade Média, uma vez que nessa época se passou a acreditar que sua prática provocasse a disseminação de doenças, a natação voltou a crescer durante o Renascimento. Várias piscinas públicas foram criadas em toda a Europa, especialmente em Paris, durante o reinado de Luís XIV.

No entanto, sabe-se que a natação, como esporte, deu seus primeiros passos na Inglaterra, durante a primeira metade do século XIX. Em 1837, foram disputadas as primeiras provas da modalidade esportiva, na cidade de Londres. Desde então, a natação foi consolidando-se cada vez mais como um dos mais importantes esportes. Uma prova disso é a presença da modalidade desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos modernos, inaugurada pelo barão Pierre de Coubertin, em 1894. No Brasil, a natação foi introduzida em 1897, com a fundação da União de Regatas Fluminense, na cidade do Rio de Janeiro.

Fonte: História de Tudo

Brasil cada vez mais o país das águas abertas

21
out 2014

Ana Marcela, Poliana Okimoto. Copa do Mundo de Maratonas Aquaticas, etapa Travessia de Hong Kong na Repulse Bay . 18 de Outubro de 2014, Hong Kong. Foto: Satiro Sodre/SSPress.

Foto: Satiro Sodré

Com a realização da etapa de Hong Kong da Copa do Mundo de Águas Abertas da Fina, a natação brasileira de maratonas aquáticas ratifica o seu status de país das águas abertas. Em 2013 o Brasil venceu por pontos a tradicional Alemanha no Campeonato Mundial de Barcelona e ainda voltou para casa com cinco medalhas no peito. Dessa vez o título mundial veio em dose dupla, ou melhor, em coroas: rei e rainha da Copa do Mundo.

A dupla baiana Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo brilhou em 2014 e vencendo o principal circuito mundial de maratonas aquáticas com autoridade. Ana Marcela foi absoluta, vencendo cinco das oito etapas e ganhando seu terceiro título no circuito (havia sido campeã em 2010 e 2012) com duas provas de antecedência. Já Allan teve um ano especial, vencendo suas duas primeiras provas no evento, somando outros três pódios e batendo o alemão Thomaz Lurz na prova decisiva, nada mais, nada menos, do que o melhor atleta da história das águas abertas. O feito da dupla deverá ser coroado com o prêmio de melhor atleta da temporada em eleição realizada pela Fina.

Mas o sucesso das águas abertas não se resumiu aos dois campeões da Copa do Mundo. Poliana Okimoto, melhor atleta do mundo em 2013, começou bem a temporada vencendo a primeira etapa e levando dois bronzes nas provas seguintes. Porém, sofreu uma lesão que a deixou alguns meses parada. Voltou com tudo para as duas etapas finais e garantiu mais duas medalhas de prata. Seria vice-campeã do circuito, mas como não cumpriu os 70% exigidos pelo regulamento não pode ficar com o prêmio.

Não é mais nenhuma surpresa ver uma bandeira do Brasil tremulando no pódio ou uma touca verde-amarela liderando um pelotão. Na Copa do Mundo foram 20 medalhas conquistadas pelos brasileiros, sendo oito de ouro. Agora as atenções e treinos se voltam para os principais eventos de 2015: o Campeonato Mundial de Kazan e os Jogos Pan-Americanos de Toronto. No feminino Poliana Okimoto e Ana Marcela Cunha já estão garantidas.

Fonte: Swim Channel

Ana Marcela transforma decepção em títulos após ficar fora dos Jogos de Londres

17
out 2014

Campeonato Brasileiro de Maratonas Aquaticas

Satiro Sodré

Em 2011, ela ficou sem chão, quando por uma posição ficou fora dos Jogos Olímpicos de Londres na prova dos 10 km do Mundial de Xangai, que serviu como seletiva olímpica para Londres. Ana Marcela Cunha ficou decepcionada, mas não desesperada e jamais pensou em desistir. No mesmo Mundial, dias depois, conquistou o título mundial dos 25 km. No ano seguinte, no ano olímpico, foi campeã pela segunda vez da Copa do Mundo de Maratonas Aquáticas, competição toda disputada na distância olímpica de 10 km. E agora, praticamente repete o feito, bastando largar na última etapa da Copa do Mundo 2014, na Travessia de Hong Kong, no próximo sábado.

– Terminar em 11º e ficar de fora das Olimpíadas foi uma frustração. Mas aquilo me motivou ainda mais a correr atrás do sonho de qualquer atleta, que é disputar os Jogos (Ana Marcela participou da estreia das maratonas aquáticas como modalidade olímpica, em Pequim/2008, quando terminou em 5º lugar). Agora, vou passo a passo, penso somente na próxima prova a disputar. E assim vou montando a estratégia para aquele desafio, conforme as adversárias, a água e a temperatura ambiente – disse a baiana, de 22 anos.

No próximo sábado, no encerramento do circuito da Fina, a nadadora do Sesi pode conseguir um feito inédito. O de disputar toda a competição (oito provas) sem sair do pódio. Até o momento, Ana participou das sete etapas realizadas e colocou medalhas no pescoço em todas elas.

– Já que o título está garantido, bastando participar da última prova, como manda o regulamento, minha motivação é “medalhar”. Nunca conseguiram isto. Em cada travessia, enfrentei condições diversas e, ao menos, uma adversária de peso. Isto dá mais experiência e confiança em ser uma atleta mais completa.

Fonte: Ahe Brasil

Ana Marcela da Cunha e Poliana Okimoto fazem dobradinha na China pela Copa do Mundo

14
out 2014

FINA MUNDIAL BARCELONA/Maratonas Aquaticas

Satiro Sodré

As nadadoras Ana Marcela da Cunha (SESI) e Poliana Okimoto (Unisanta) fizeram a dobradinha na penúltima etapa da Copa do Mundo FINA de Maratonas Aquáticas, realizada na China, cidade de Chun’na. Ana levou a medalha de ouro ao terminar os 10km em 2h06min13s03, seguida pela Poliana que marcou 2h06min14s35.

No ranking da competição, Ana Marcela lidera e precisa participar da última etapa, em Hong Kong, no dia 18 de outubro, para ser consagrada tricampeã da Copa do Mundo. Em sete etapas, ela conquistou cinco medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze.

Resultados dos brasileiros na Copa do Mundo 2014

Viedma/Argentina – 1/02 – Poliana ouro / Ana Marcela – prata
Cancún/México – 5/04 – Poliana – prata / Ana – bronze
Setúbal/Portugal – 28/06 – Ana Marcela – ouro / Poliana – prata
Roberval/Canadá – 24/07 – Ana Marcela – ouro
Magog/Canadá – 1/08 – Ana Marcela – ouro
Megantic/Canadá – 9/08 – Ana Marcela – ouro
Chun’na/CHN – 11/10 – Ana Marcela – ouro / Poliana Okimoto – Prata

Últimas etapas da Copa do Mundo 10km 2014

Hong Kong – 18 de outubro

Histórico dos brasileiros na Copa do Mundo FINA de 10 quilômetros.
2007 – Poliana Okimoto – 3º lugar
2008 – Ana Marcela – 3º lugar
2009 – Poliana Okimoto – 1º lugar
2010 – Ana Marcela – 1º lugar
2012 – Ana Marcela – 1º lugar
2013 – Ana Marcela Cunha – 3º lugar