Marcelo Negrão no Festival de Vôlei de Praia de Campos do Jordão.

06
jul 2016

post-blog-negrao-festival

A cidade de Campos do Jordão recebeu, entre 28 de junho e 3 de julho, o Festival de Vôlei de Praia com a presença do medalhista Marcelo Negrão, além da participação de outros atletas olímpicos que competiram em um torneio.

O grande Marcelo, que faz parte do Team Speedo ao lado de Gustavo Borges, participou de clínicas de vôlei na areia dando dicas sobre fundamentos e regras do esporte para 200 crianças que jogaram vôlei numa quadra oficial.

Segundo as palavras do medalhista olímpico, “ninguém vai sair daqui jogando, mas o pessoal vai sair com aquela vontade de querer ser um jogador e este é o meu trabalho”.

Boa! #VaiFundoMarcelo.

Etiene Medeiros e Gabrielle Roncatto garantem vaga nas Olimpíadas

26
abr 2016

post-blog-gabrielle-etiene2

Etiene Medeiros e Gabrielle Roncatto garantiram vaga nos jogos olímpicos deste ano! Com sua participação no Maria Lenk na prova dos 100m, Etiene cravou o tempo de 1m00s00 estipulado pela Federação Internacional e conseguiu o esperado índice olímpico. Além disso, nossa atleta fez o recorde da competição.

Feliz da vida, Etiene mostrou seu amor pelo esporte e disse que ainda está desvendando os segredos da prova e do nado que tanto ama. “Aliviada é a palavra. Mais uma vez, a natação surpreende qualquer um”, disse.

Gabi também teve o que comemorar: foi destaque nos 200m medley do Maria Lenk e conquistou uma vaga nos jogos de agosto (modalidade 4x200m livre) ao fazer a prova em 1m59s22. Ela agradeceu aos treinadores e disse ser o dia mais feliz de sua vida. “Deu tudo certo, consegui melhorar meu tempo e conquistar mais uma medalha”. Roncatto levou bronze nessa competição e também pelos 200m livre.

Agora é torcer por elas e por toda a equipe a partir de 5 de agosto, quando chega o grande dia.

#VaiFundoSpeedo

Poliana e Ana Marcela conquistam o pódio mais uma vez

14
abr 2016

post-blog-poliana-marcela

Os atletas que fazem parte das maratonas aquáticas olímpicas aqui do Brasil estiveram nos Estados Unidos no último final de semana participando, como convidados, do Campeonato Americano no Lago Miromar (Flórida).

É claro que nossas atletas Poliana Okimoto e Ana Marcela Cunha passaram pela competição e, além de terem garantido um lugar no pódio, trouxeram medalhas e ainda mais orgulho pra gente.

Ana Marcela trouxe o bronze por nadar o percurso olímpico de 10 km – completou a prova em 2h01min55s41. Nessa prova, a campeã foi a americana Ashley Twichell e Poliana garantiu a 5ª colocação.

Poliana Okimoto também trouxe o bronze, mas pela prova dos 5 km, que completou em 1h01min48. Nos 5 km, o ouro foi para a francesa Aurelie Muller e Ana Marcela ficou em 4º lugar.

Parabéns às meninas e a todos que participaram. Que venham mais competições, mais garra e mais pódios. #VaiFundoSpeedo

Correndo das doenças

15
jan 2016

Correr é um santo remédio. E coloca santo nisso! Problemas físicos, emocionais, mentais e vários outros males são combatidos e prevenidos através da simples prática da corrida de rua. Dê só uma olhada na lista de coisas que passam longe dos corredores:

Depressão, distúrbios de ansiedade e afins

Você já deve ter ouvido ou lido isso em algum lugar: Correr libera endorfina, o neurotransmissor responsável pela disposição, bom-humor, alívio de dores e otimização do sistema imunológico. Ou seja, a endorfina é, basicamente, uma das maiores aliadas de quem está sofrendo nas mãos de uma doença psicológica.

Os relatos de pessoas que se sentem muito mais dispostas e bem humoradas, mesmo após correrem grandes distâncias, são muitos. O alívio pode não ser imediato, mas é duradouro e no combate destes males, constância é algo indispensável.

Osteoporose

E ainda tem gente que acredita que a corrida faz mais mal do que bem pra quem sofre de osteoporose. Besteira!

Para quem não sabe, a osteoporose é um distúrbio caracterizado pela diminuição da densidade óssea. Numa conta simples, menos cálcio resulta numa densidade menor. Isso faz com que os ossos fiquem muito mais suscetíveis a lesões e fraturas.

No entanto, quem corre passa por dois processos que ajudam no fortalecimento ósseo: o primeiro é a ativação dos músculos e ossos, o que ajuda na consolidação do cálcio pelo esqueleto. O outro é o aumento da produção da vitamina D, substância que ajuda a absorção do cálcio. Como? Simples: por ser um esporte muito praticado a céu aberto, os corredores são mais suscetíveis ao Sol, algo importante para a produção dessa vitamina.

Asma

Realizada sob o olhar atento de um médico e de um preparador físico, a corrida é uma grande arma contra a asma e outras complicações do tipo. Ela estimula o desenvolvimento aeróbico, além de fortalecer os órgãos que compõem o sistema respiratório.

Além disso, a corrida e a prática de outras atividades físicas mantêm o peso sobre controle, o que é algo que influência muito o aparecimento das enfermidades citadas acima.

Então, bora correr e ser mais saudável?

Da piscina para o mar

08
jan 2016

08_01_blog_natacao

Morar longe do mar não é desculpa para nadadores de verdade. Se eles tiverem acesso a uma piscina e um pouco de força de vontade podem se preparar para nadar onde for. Como? Assim:

De olhos bem fechados

Uma das maiores dificuldades de quem troca as piscinas pelo mar é a orientação. Na natação em piscinas, os nadadores se acostumam a utilizar o fundo das mesmas para se orientar e alinhar o corpo. No mar não há essa moleza e, muitas vezes, um nado que deveria ser reto, acaba com alguns bons vários metros de desvio.

Quer ter um resultado melhor? Treine nadar de olhos fechados na piscina. Faça isso umas 10 vezes (ida e volta) e, depois, repita a dose com os olhos abertos e retos. Repita o exercício até perceber que você conseguiu se manter numa linha reta constante enquanto nadava com os olhos fechados.

Treine saídas rápidas e fortes

Uma outra característica da natação em águas abertas é a sua saída rápida. Quem já participou ou assistiu uma prova realizada no mar sabe que o bolo de atletas que se forma no começo da competição é um tormento. Por isso mesmo, a elite costuma imprimir um ritmo mais veloz nas saídas, na esperança de se distanciar ao máximo dessa turma.

Ah! Aproveite acostume-se a baixar o ritmo de forma gradual também. De nada adianta tentar nadar na sua velocidade máxima durante toda a prova: você só vai se cansar mais rápido e não terá energias para dar um gás na reta final.

Nade economicamente

Falando em gás, a forma mais eficiente de economizar energia dentro da água é nadando um número maior de metros com menos braçadas. Conte quantos movimentos você precisa para ir de uma extremidade da piscina até a outra e vá abaixando esse número nos seus treinos.